Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Vamos falar de... Bla bla bla

Vamos falar de... Bla bla bla

04
Set19

Vamos falar de...Os três casamentos de Camilla S., Rosa Lobato Faria

#leiturasdeverão


Bla bla bla

 

3casamentos.jpg

 

Umas das muitas qualidades que aprecio nos livros da RLB é que as estórias são sempre verosímeis e roçam tanto a realidade que nos esquecemos que estamos a ler ficção, que aquela pessoa que nos está a narrar não existe, que aquelas vidas são inventadas.

 

 

O titulo não engana, este livro relata a vida de Camilla que, ao longo da sua vida, se casou três vezes.

São 90 anos de uma vida de encontros e desencontros, amores e desamores, felicidade e lágrimas, encontros e perdas.

 

A Paca tornou-se a minha imaginária, se eu tiver um anjo da guarda é tal e qual como a ela que imagino.

 

 

Leiam Rosa Lobato Faria! Não se vão arrepender!

 

 

Sinopse

Aos noventa anos de vida, Camilla decide percorrer os seus diários e contar as suas memórias. A sua história é a de uma mulher que, ainda que às vezes de longe, viu o tempo e os atos mudarem o mundo.

É também a história dos seus três casamentos e do seu único amor. A vida de Camilla é feita de iguais medidas de alegria e desespero.

A sua memória é a de uma jornada de crescimento, desde a inocente casada demasiado cedo à mulher que amou e sofreu e viveu uma vida completa. E a voz de Camilla é fascinante, tal como o é o percurso da sua vida.

É a autobiografia de uma velha senhora que aos noventa anos decide contar a sua vida, incluindo o que ela possa ter de inconfessável. Desde os ambientes à narrativa (que atravessa quase um século de história ) estamos perante um livro adequadamente romântico.

 

 

Imagem daqui

 

 

Bla bla bla

 

 

17
Jul19

Vamos falar de...A Alma Trocada, Rosa Lobato Faria


Bla bla bla

Um escritor escreve sobre aquilo que conhece. A imaginação de uma realidade desconhecida fica sempre aquém.

 

O que me leva a pensar que vida terá vivido a Rosa Lobato Faria? Que pessoas se terão cruzado consigo e lhe terão emprestado as suas estórias? Que sonhos e pesadelos lhe terão assomado a inspiração?

Nos seus livros podemos encontrar pessoas do campo, aristocratas, navegadores, assassinos, lésbicas, artistas de circo, irmãos incestuosos, homens violentos e mulheres perdidamente apaixonadas e agora, a estória de Teo (Teófilo) que é homossexual e acredita ter nascido com a alma trocada. 

 

almatrocada.jpg

 

Neste livro vemos que não são só as mulheres que se deixam apanhar no desvario da paixão, do amor carnal que nos desencaminha da calmaria pacifica de um lago sereno para o turbilhão do mar agitado.

 

 

Fala também da família, não da que se nasce, mas daquela que se escolhe e que, embora careça em laços de sangue, sobeja em laços de amor e do coração.

 

 

Sinopse

É um lugar comum dizer-se que determinada orientação sexual não é uma escolha, porque, se fosse, ninguém escolheria o caminho mais difícil. Foi esse caminho mais difícil que Teófilo teve de percorrer, desde a incompatibilidade com os pais, aos desencontros dentro de si próprio, chegando mesmo a acreditar que alguém lhe tinha trocado a alma...
Rosa Lobato de Faria aborda, desta vez, um tema diferente - o tema da homossexualidade masculina -, num romance que, mantendo embora o tom poético que sempre tem caracterizado as criações da autora, se arrisca por caminhos até aqui pouco explorados na ficção portuguesa.

 

 

Imagem daqui

 

 

Bla bla bla

01
Jul19

Vamos falar de...A Estrela de Gonçalo Enes, Rosa Lobato Faria


Bla bla bla

estrelagonçaloenes.png

 

Este é mais um dos romances históricos da Rosa Lobato Faria, também ele sobre um marinheiro português que de facto existiu na realidade, Gonçalo Enes.

 

Se tivesse de escolher entre A Estrela de Gonçalo Enes e A Flor de Sal (podem ver aqui) escolheria o segundo, porque o Afonso Sanches mexeu mais comigo e gostei mais da construção e do paralelismo.

Contudo, recomendo para quem gosta de romances históricos mais leves.

 

Sinopse

Trata-se de uma obra leve e descontraída sobre a vida e aventuras de dois personagens quase esquecidos da História de Portugal, mais especificamente da Época das Descobertas. São personagens reais se bem que quase todo o enredo seja ficcionado.

Gonçalo Enes ficou na História pela descoberta das grutas de Tassili N’Ajjer.
Trata-se de um jovem órfão de pai, nascido e criado na aldeia algarvia de Bensafrim.
Encantado pela estrela Sirius, que o ilumina e encanta durante toda a vida, o jovem Gonçalo, desiludido por um amor impossível, abre o seu destino às incríveis aventuras do Império que El-rei D. Afonso sonhava construir.
Pelas aldeias indígenas de África, pelas cidades encantadas de Marrocos, pelas areias misteriosas do deserto, Gonçalo leva consigo o espírito de aventura e coragem que transformou este pequeno país num mundo inteiro de esperança e riqueza.

Fica, desta "estória", o encanto de um tempo ido, em que a pobreza se enganava com grandes sonhos, do tamanho do Império. Um livro belo e fresco, descontraído, sem ambições mas que encanta pela extraordinária simplicidade e singeleza da escrita de Rosa Lobato Faria.
Gonçalo, mal-amado e desprezado, vive no sonho, mas um sonho que o faz feliz. A amizade, a camaradagem, a fidelidade ao sonho são valores que fazem dele um herói, mesmo que esquecido pela História, como tantos outros que, anonimamente, construíram as páginas mais brilhantes da nossa história.

 

 

 

imagem daqui

 

 

Bla bla bla

27
Jun19

Vamos falar de...Os Linhos da avó, Rosa Lobato Faria


Bla bla bla

linhos avo.png

Já devem estar fartinhos que eu escreva sobre os livros da Rosinha mas como bem sabem estou numa demanda para os reler a todos e portanto temos pena, ainda não acabei, e não vai ficar por aqui.

 

Este livro é um livro de contos dispersos. Tenho uma relação de amor-ódio com os contos porque há alguns que sim aquilo chega bem para a mensagem que se quer transmitir, mas outros há em que uma pessoa fica a ansiar por mais, quer saber o que vem antes, o que virá depois, conhecer melhor este ou aquele personagem.

 

Portanto é com cautela que recomendo este livro.

Mais, para quem nunca leu nada da Rosa Lobato Faria por favor não comecem com este que não tem para mim o suficiente para nos apaixonarmos.

 

 

Sinopse

Tal como a avó da história, que arrecadava os linhos em armários esquecidos e os perfumava com maçãs, também Rosa Lobato de Faria pegou nos textos guardados na gaveta, sacudiu-lhes algum perfume de nostalgia e decidiu juntá-los neste livro, para gáudio dos seus numerosos e fiéis leitores. São 21 histórias que nos falam quase sempre de mulheres: dos seus amores, das traições, da sua perseverança, do seu combate por uma dignidade negada e reprimida. Mas que nos falam também dos homens que estão ao seu lado, da vida dos casais, da sexualidade, da paixão e do ciúme.

 

Imagem daqui

 

Bla bla bla

18
Jun19

Vamos falar de...A Flor do Sal, Rosa Lobato Faria


Bla bla bla

FLOR DE SAL.png

Como já devem ter percebido eu devoro os livros desta senhora.

Fico consumida, agarrada, viciada, sem vontade de ler mais nada que não as suas estórias que me parecem a mim ser tocadas por alguma espécie de varinha de condão.

 

Neste livro é contada a a estória de Afonso Sanches, navegador português (que de facto existiu) e da escritora que escreve a sua estória Guiomar e de seu irmão gémeo Lourenço

.

Os capítulos vão alternando ora na estória de um ora na estória de outro, entrelaçados entre si.

 

Não sei dizer de qual das estórias gostei mais, qualquer uma das duas me toca profundamente.

 

Fico infindavelmente triste quando acabo de (re)ler mais um dos livros dela e sem vontade de ler outro qualquer.

Felizmente tenho mais um, depois desse não sei o que vou ler porque não tenho vontade de ler mais nada...

 

 

Sinopse

Entre a História e a atualidade, os mistérios do amor e da morte.

"A Flor do Sal" fala-nos da construção de um livro sobre um marinheiro do século XV e sobre o episódio de que ele foi protagonista.
Esse pescador de Cascais, Afonso Sanches (que efetivamente existiu), mais tarde baleeiro e por fim piloto de uma expedição que buscava a Índia a Ocidente, chegou casualmente às costas da América em 1481 (onze anos antes de Colombo) e disso deu notícia ao rei D. João II. Porém, o rei pediu-lhe silêncio sobre o seu achamento, por estar em vias de elaboração o Tratado de Tordesilhas.
Mais de quinhentos anos depois, uma escritora aproveita este facto histórico para elaborar a sua própria ficção – e a sua história cruza-se com a de Afonso Sanches, num romance sobre os mistérios da criatividade, do amor e da morte.
"A Flor do Sal" vem confirmar a maturidade literária de Rosa Lobato de Faria e impô-la como um nome incontornável da nossa mais moderna ficção.

 

 

 

A imagem acima é daqui

 

Bla bla bla

 

 

 

06
Jun19

Vamos falar de...feira do livro #2


Bla bla bla

#2 - A segunda visita

 

IMG_20190606_142026.jpg

 

 

Hoje com o tempo assim para o farrusco, não havia tanta gente, pelo que a minha visita foi muito mais agradavél.

 

Tenho um orçamento limitado mas este tinha de o comprar porque online se encontra esgotadissimo.

 

Como podem ver pela foto acima comprei Os Linhos da Avó de Rosa Lobato Faria, e assim que o (re)ler e terminar  venho cá falar-vos mais dele.

O preço dele é € 5,95 mas com o desconto ficou a € 4,90. Gastei menos de € 5,00 por um livro que sei que vou gostar, acho que me portei muito bem.

 

Falta-me encontar lá perdido A Alma Trocada ,também da Rosa, uma vez que se encontra esgotado em todo o lado.

Se o encontrarem por lá venham cá dizer-me onde está por favor!

 

 

Bla bla bla

14
Mai19

Vamos falar de...O Pranto de Lúcifer, Rosa Lobato Faria


Bla bla bla

PrantoLucifer.jpg

Sei que sou suspeita, mas não posso deixar de elogiar este livro magnífico da RLF.

 

Felizmente tive a sorte de ter uma mãe que me encheu (e enche) de amor e carinho mas infelizmente, a minha mãe não teve a mesma sorte que eu e, talvez por isso este livro me diga tanto. Ando agora na dúvida se o partilhe com a minha mãe ou não porque receio que lhe traga más recordações.

 

Não posso acrescentar mais do que o que já vem na sinopse, não quero ser acusada de ser uma spoiler, mas não posso deixar de partilhar convosco este trecho que já vem mesmo no fim do livro: e do qual gostei tanto:

"Ás vezes fico a pensar nestas últimas palavras do meu pai e concluo que todos, sem exceção, temos as lágrimas do diabo a correr-nos nas veias, como temos, se calhar, o sorriso de Deus a passar-nos no coração. Por isso, somos tão bons e tão maus, tão incertos e contraditórios, capazes de grandes heroísmos e das piores vilezas."

 

 

Sinopse

Esta é a história de uma família original contada pela mais nova de quatro irmãs, Bernardette, que cresceu correndo Portugal de lés a lés com os pais, autênticos saltimbancos que tanto apresentavam espetáculos de Almeida Garrett como um número em que Marinela, a mãe, parecia morta.
Bernardette relata como foi viver na corda bamba nessa viagem constante, rica em aventuras e imprevistos, mas sempre precária. Foi do pai que herdou a capacidade de sonhar, de encarar a vida e o mundo de forma idílica, mas até que ponto é possível conciliar o sonho com a vida?
O Pranto de Lúcifer é um romance simultaneamente divertido e dramático, cruel e poético, que nos revelou o talento de Rosa Lobato de Faria.

 

 

Bla bla bla

10
Abr19

Vamos falar de...O Prenúncio das Águas, Rosa Lobato Faria


Bla bla bla

prenuncio das aguas.png

Como já tinha referido aqui decidi adquirir e reler toda a obra da Rosa Lobato Faria, uma das minhas escritoras de eleição.

 

Desta vez, o O Prenúncio das Águas que, embora ficcional, nos remete inevitavelmente para o episódio real da submersão da Aldeia da Luz pela barragem do Alqueva.

 

O livro é narrado por cinco personagens; cada capítulo vai alternando entre a Filomena, o professor Ivo Durães, a Ausenda, o pequeno Pedro e a Tia Sebastiana, o que nos vai viciando à medida que a leitura, a estória, a trama e a intriga se desenrolam.

 

Um livro onde se sente e se mistura uma vez mais a paixão avassaladora com o ódio visceral. Prenúncio das águas que são simultaneamente fonte de vida e de morte.

 

 

Sinopse

Tendo como pano de fundo Rio dos Anjos, uma pequena aldeia condenada a ficar submersa pelas águas de uma futura barragem, cinco narradores falam de si, do passado, do presente e do futuro, inundado de ausência. Através dos seus testemunhos, vai-se construindo um panorama de amor, ciúme, traição e vingança, à medida que a aldeia caminha para um fim inevitável.

«São raros os escritores que, como a autora de O Prenúncio das Águas, detêm uma extraordinária fluência discursiva aliada a uma poderosa imaginação criadora, "viciando" o leitor nos jogos da paixão, do ciúme e da vingança. Em fundo, um universo ficcional onde o fantástico e o real se entrelaçam. Como ponte entre ambos, a complexidade simbólica da água: fonte de vida, centro de amor, agente de morte. Canto do cisne de uma aldeia real e mítica, luz que brilhará para sempre no fundo das águas.» Teresa Martins Marques

 

 

Bla bla bla

03
Abr19

Vamos falar de...Pássaros de Seda de Rosa Lobato Faria


Bla bla bla

Á quase uma década atrás, uma colega de trabalho que comigo partilhava o amor aos livros e à leitura, insistiu muito para eu ler um livro da sua escritora de eleição, Rosa Lobato Faria, que na altura eu apenas conhecia da televisão.

Fiquei encantada com o primeiro livro e li acabei por ler os outros onze que a minha colega tinha em apenas 40 dias… não foi nenhuma proeza, os livros são muito pequenos, de leitura fácil e altamente viciantes.

 

Decidi recentemente que tinha de ter todos os livros escritos pela Rosinha e nada melhor do que começar pelo primeiro que li.

 

passaros de sesa.png

 

Pássaros de Seda. Um livro sobre as voltas da vida, de estórias entrelaçadas com estórias, de estórias com gente dentro. Todos os livros da Rosa são assim.

 

Já viram que sou suspeita, amo esta senhora de paixão e não me conformo que só a tenha descoberto postumamente porque gostaria de lhe ter dito, nem que fosse por uma cartinha, o quanto gosto dos seus livros, das suas estórias, da sua cadência…

 

Sinopse

Graças à qualidade eterna do carácter de minha mãe e ao consequente travão que ela pôs à entrada do "progresso" naquela casa, a Pedra Moura guardou para sempre a sua transcendência de lugar mágico.
O reino dos contos de fadas e dos autos de Natal, o mundo dos antigos aromas e sabores, o sítio da infância, o refúgio ideal para nascer e para morrer.
Assim terminam as memórias de Mário, um dos protagonistas de Os Pássaros de Seda, um livro sobre a condição humana, que opõe os valores perenes da infância, do maravilhoso e do amor à precariedade das paixões e dos transes da fortuna.

 

Boa leituras!

Bla bla bla